Síndrome metabólica: dieta low carb pode ajudar?






A presença da temida Síndrome Metabólica, que é um importante marcador de risco cardiovascular, é definida pela presença de pelo menos três dos seguintes cinco critérios:


1. Circunferência abdominal >102 cm (homens) e > 88cm (mulheres);

2. Triglicérides > 150 mg/dl;

3. HDL <40 (homens) e <50 (mulheres);

4. Pressão arterial > 130x85mmHg;

5. Glicemia em jejum > 100mg/dl.


Estudos já demonstraram que as dietas com restrição de carboidratos têm efeito positivo nestes critérios, mas apenas em casos de perda de peso associada. Assim, surge a dúvida: “Será que as dietas low-carb (ou high-fat) estão associadas com a melhora metabólica pois auxiliam na perda de peso ou por que os carboidratos por si só pioram os parâmetros metabólicos?” O pequeno, mas marcante e recente estudo: “Dietary carbohydrate restriction improves metabolic syndrome independent of weight loss” busca uma resposta para tal pergunta (arraste pro lado). Na pesquisa, 16 indivíduos foram aleatoriamente divididos para a realização de três dietas diferentes, com pequena, moderada ou grande quantidade de carboidratos, durante o período de 4 semanas, com intervalos de duas semanas entre cada. As dietas continham níveis iguais de proteína e foram programadas para manter, e não perder, peso.

O estudo apresentou os seguintes resultados:


1. Maiores valores de HDL na dieta low-carb;

2. Menores valores de Triglicérides e Glicose na dieta low-carb;


3. Menores níveis sanguíneos de gorduras saturadas na dieta low-carb (mesmo com maior ingestão de gorduras). 4. Após a dieta low-carb, 9 indivíduos não se encaixavam na síndrome metabólica, já com high-carb, apenas 1.

Assim, o estudo mostra como os carboidratos podem ser os principais responsáveis pela piora metabólica e não apenas o ganho de peso ou as gorduras, os quais sempre foram considerados os grandes culpados.

MAIS TEXTOS