Jejum e câncer


Como já citamos aqui algumas vezes, a insulina e a glicose parecem ser grande vilões quando se trata de um assunto muito delicado: o câncer. A insulina cronicamente elevada parece contribuir para maior aparecimento de tumores, para torná-los mais agressivos e para favorecer a angiogênese (formação de novos vasos sanguíneos). A glicose favorece o crescimento do tumor, sendo que este consome 6x mais glicose devido ao seu padrão respiratório anormal! Os tumores utilizam glicose, lactato e glutamina como fonte de energia. Raramente conseguem utilizar gordura e corpos cetônicos. ⠀

Esse cenário nos traz mais uma vez para a discussão de que recursos como a dieta cetogênica e o jejum podem ser muito favoráveis no auxílio da terapêutica contra o câncer!!! Estudos recentes vêm discutindo sobre isso e para quem quiser aprofundar mais no assunto, arraste para o lado e confira 2 estudos muito bons na área!⠀

Resumidamente, esses estudos mostram o seguinte:⠀

O jejum reduz IGF-1, INSULINA e GLICOSE, além de aumentar corpos cetônicos, o que forma um ambiente MUITO desfavorável para o crescimento tumoral; ⠀

O jejum parece aumentar o efeito de inibidores de tirosina-quinase, medicamentos utilizados para combater o câncer, como erlotinib, gefitinib, lapatinib, crizotinib and regorafenib; ⠀

O jejum auxilia em reduzir o crescimento tumoral e o seu potencial mitótico, além de diminuir a capacidade de replicação do DNA da célula do câncer; ⠀

O jejum protege as células normais dos tratamentos que afetam células com alto grau de replicação. Em alguns estudos animais o jejum reduziu citopenias pós quimioterapia⠀

Pesquisas em modelos xenográficos confirmaram tais associações.⠀

Precisamos de mais estudos? SIM! Mas, parece fazer muito sentido, não é mesmo?! Me contem o que acham. É um assunto complexo, mas muito importante e precisamos mais falar sobre isso!⠀

MAIS TEXTOS