Jejum de curto prazo pode ajudar no tratamento do câncer?




As evidências sobre o jejum e sua influência na saúde humana vêm crescendo cada vez mais. Estudos recentes de laboratório mostram que o jejum de curto prazo pode ter efeito protetor sobre a toxicidade de agentes quimioterápicos no tratamento de vários tipos de tumor, além de, simultaneamente, aumentar a eficácia dos medicamentos. Acredita-se que o jejum de curto prazo poderia afetar o funcionamento celular, aumentando a resistência ao estresse de células saudáveis e deixando as células tumorais mais sensíveis ao tratamento.


As células têm diferenças estruturais que causam respostas distintas ao estresse. Com a restrição calórica, as células saudáveis reservam a energia para manutenção e reparação, o que aumenta a resistência à quimioterapia. Já as células tumorais, devido ao descontrole metabólico, não são capazes de regular o gasto energético e, assim, mantém a proliferação excessiva mesmo com baixo aporte nutricional. Com isso, a quimioterapia causa mais dano às células tumorais, ficando mais sensíveis ao tratamento.


O jejum pode ser uma arma MUITO eficaz quando utilizado da forma correta, podendo auxiliar não só para a perda de peso, mas também para o tratamento de doenças tão graves e prevalentes como o câncer. Ainda são necessários novos estudos para confirmar sua eficácia em humanos, mas o uso do jejum de curto prazo como terapia adjunta aos quimioterápicos não parece estar muito distante do cenário atual com o surgimento de evidências tão promissoras.

MAIS TEXTOS