Frutose e obesidade infantil




A prevalência de obesidade é crescente na população infantil mundial. Associa-se a isso a mudança em parâmetros metabólicos, que são importantes fatores de risco para doenças cardiovasculares. Como já foi discutido aqui, a temida Síndrome Metabólica, que consiste em valores elevados de circunferência abdominal, pressão arterial, glicose, triglicérides, LDL e baixos de HDL, também vem crescendo entre as crianças, o que é muito preocupante. 😥

.

Esse Estudo norte-americano 🇺🇸, publicado no Jornal OBESITY, sobre o qual eu comentei ontem, avaliou a modificação de parâmetros metabólicos com a restrição de frutose em dietas de crianças. A pesquisa realizou uma substituição isocalórica do carboidrato frutose na dieta de 43 crianças obesas e/ou com síndrome metabólica.

.

Durante 9 dias o açúcar da dieta das crianças foi reduzido de 28 para 10%, substituindo frutose por amido, sem modificação calórica. A escolha alimentar foi rigorosa para manter os valores calóricos semelhantes aos da dieta prévia das crianças. .

Após a substituição dietética e análise rigorosa, foram observadas mudanças, com redução de pressão arterial, lactato, triglicérides e LDL (diminuição em 43%). A tolerância à glicose e a insulina sérica melhoraram. Houve redução de peso em cerca de 0,9 ±0,2kg.

.

Diante disso, o estudo mostra que, independente de valores calóricos e da perda de peso, o açúcar por si só pode promover alterações metabólicas, influenciando fortemente no desenvolvimento de doenças endócrinas em crianças.

MAIS TEXTOS