Diabetes e demência: qual a relação?




A Neurociência é uma área em ascensão com cada vez mais ferramentas e tecnologia. A #Demência é um dos assuntos mais estudados dentro desse cenário. ⠀

Exames mostram que #cérebros demenciais apresentam baixos níveis de metabolismo glicêmico, o que é um importante biomarcador da doença. No entanto, o avanço da neurociência mostra que alterações do metabolismo #glicêmico podem estar relacionadas com o próprio surgimento da demência. Estudo realizado em Washington mostrou que, antes mesmo de manifestar a doença, adultos jovens com genes de risco para #Alzheimer já apresentavam hipometabolismo glicêmico em áreas cerebrais. ⠀

O mecanismo causa-efeito da #diabetes com o surgimento do quadro demencial ainda é incerto, porém estudos observacionais mostram que pacientes diabéticos apresentam maior riso de desenvolver demência. ⠀

Uma importante meta-análise de 28 estudos prospectivos observacionais conclui que a diabetes aumenta em 73% o risco de desenvolver qualquer tipo de demência, 56% de Doença de Alzheimer e 127% de Demência #Vascular. Alguns estudos têm mostrado que o controle do diabetes resultou em menores quantidades de proteína Tau no líquido cerebroespinhal de pacientes com demência. ⠀

Além disso, o maior risco cardiovascular e maior presença de distúrbios de sono em #diabéticos também são fatores de risco para o surgimento de demências. ⠀

Muitas pesquisas estão testando os tratamentos medicamentos e de estilo de vida para Diabetes em pacientes com demências. Os resultados ainda não são robustos, mas o cenário é promissor, principalmente, em relação mudanças de estilo de vida, sendo a dieta #cetogênica e a atividade física algumas das mais importantes indicações.

MAIS TEXTOS