Cirurgia bariátrica e o reganho de peso




Já falamos muito aqui sobre obesidade e sobre os inúmeros tratamentos para a perda e manutenção de peso.


Quem aí conhece alguém que já recorreu à cirurgia bariátrica por esses motivos? Muita gente né...

Os estudos revelam que dentre os pacientes que se submetem à cirurgia bariátrica, em média 15-50% podem recuperar o peso no pós-operatório tardio, principalmente após dois anos de cirurgia.


No Brasil, o procedimento cirúrgico mais realizado é o bypass gástrico em Y de Roux. – ARRASTE PRO LADO PRA ENTENDER COMO ELE FUNCIONA 👉👉

Segundo o estudo, uma das principais desvantagens do BGYR é o risco aumentado para desnutrição proteica e deficiências vitamínicas a longo prazo. O tratamento é considerado um sucesso quando o paciente atinge pelo menos 50% de perda do excesso de peso após um ano de cirurgia... Mas porquê tanta gente sofre com o reganho? Os possíveis mecanismos envolvidos são: dilatação da bolsa gástrica e da anastomose gastrojejunal, aumento do consumo energético (principalmente por uso abusivo de líquidos açucarados e hipercalóricos), distúrbios alimentares, alcoolismo, sedentarismo, diminuição da taxa de metabolismo basal (por causa da dieta hipocalórica crônica e perda de massa magra), alteração dos níveis de alguns hormônios, não comparecimento às consultas de acompanhamento, entre outros.


Ou seja, tendo em vista a magnitude do que é a obesidade no Brasil, a cirurgia bariátrica pode ser ferramenta eficaz no controle e no tratamento... MAS a cura da obesidade está longe de se resumir apenas ao ato cirúrgico.

MAIS TEXTOS