Dieta Cetogênica E Câncer

Olá, querido leitor e leitora do blog da Dra. Janaina Koenen.

Aqui quem fala é o Guilherme e o Roney, do site Senhor Tanquinho.

Estamos aqui para apresentar um trecho da excelente entrevista que a Dra. Janaina concedeu para nós.

Neste trecho, a Janaina fala sobre a dieta cetogênica como tratamento adjuvante no combate ao câncer.

Veja abaixo o que a Janaína disse sobre este tema delicado — e preste muita atenção.

Até porque ela mesma já teve de lidar com um caso de câncer na família.

E explica, no trecho abaixo, em quais tumores faz mais sentido aplicar a dieta cetogênica.

Quais Os Tumores Em Que Mais Faz Sentido Aplicar A Cetogênica

Existem alguns estudos feitos em humanos.

Sendo que observamos que alguns tumores que não respondem à dieta cetogênica.

Por exemplo, o tumor renal: ele é um que, sabidamente, não responde à dieta cetogênica.

Os tumores que mais respondem, que têm mais estudos, são os tumores cerebrais.

Então neuro-oncologistas, prestem atenção. Eu espero em Deus, que vocês ouçam este podcast.

Porque, para o glioblastoma, a dieta cetogênica vai se tornar standard de tratamento adjuvante.

(No tratamento de glioblastoma, astrocitoma e tumores neurológicos.)

Isso quer dizer que todos vão curar se nós usarmos a dieta cetogênica? Não.

Mas, atualmente, essas pessoas morrem em menos de dois anos.

E, se a dieta cetogênica aumentar a sobrevida em um ano, em seis meses — como tem estudos mostrando — isso é muito importante, percebe?

Você poder ficar com a pessoa que você gosta mais seis meses… ou se a pessoa puder ficar com o filho mais seis meses…

Isso é algo forte.

Então simplesmente não dá para dizer que “não tem nenhuma evidência científica para cetogênica e câncer”.

E eu grito aos quatro ventos: quem falou isso está errado.

E nós não podemos descartar essa ferramenta.

E note: a dieta cetogênica é só uma ferramenta a mais!

Dieta Cetogênica: Se Pode Ajudar, Por Que Descartar?

Existe imunoterapia. Existem drogas-alvo de mutações (mutações que às vezes as pessoas têm, às vezes não têm).

Existem bloqueadores hormonais — por exemplo, no câncer de mama, para quem tem a mutação específica.

Então são diversas ferramentas.

Mas note: e quem não tem a mutação hormonal no câncer de mama? Nós vamos deixar morrer?

E se existe um protocolo que ajuda?

Por exemplo, hoje nós usamos drogas para diabetes para o tratamento do câncer: a metformina está sendo usada no tratamento de vários tumores.

(Observação: a metformina é comercializada sob os nomes Glifage, Dimefor, Glucoformin, e Glucophage, dentre outros.)

Já tem vários estudos em animais e já tem ensaios clínicos em humanos.

Não são ensaios clínicos grandes — a maior parte dos estudos são relatos de caso — com um ou dois pacientes, apenas. Mas os resultados são dramáticos!

Então assim, tem estudos muito interessantes usando drogas para diabetes para ajudar no tratamento do câncer.

E vejam: o que uma droga para diabetes faz?

Ou ela reduz a glicose, ou ela reduz a insulina (porque as drogas para a diabetes que aumentam a insulina não prestam para ninguém).

Eu sou contra elas e já falei várias vezes sobre isso: que a Sulfonilureia eu não usaria em ninguém.

Mas essas drogas, como a Metformina, como a Dapagliflozina que têm estudos mostrando a alteração… até em câncer de pulmão já tem estudo… A gente não pode jogar fora essas estratégias.

Então hoje já se fala em tratamento metabólico do câncer.

E o que é isso? Não é só a dieta cetogênica.

São várias outras abordagens, que eu vou falar mais sobre isso no Instagram, vocês vão me ver falando sobre isso ainda muito esse ano.

Eu comecei falando sobre diabetes.

Mas eu vou falar mais sobre câncer, sobre Alzheimer, sobre Parkinson… essa semana eu falei sobre enxaqueca.

Dieta Cetogênica E Câncer: Estudo Científico x Opinião

Então a gente vai jogando aos quatro ventos mesmo as evidências científicas que têm.

E tudo baseado em evidências, tá, gente? Não é a minha opinião não.

Tudo tem artigo, tudo tem estudos, tem meta-análise, tem ensaio clínico, tem estudos em humanos.

Então não pensem que eu estou falando aqui a minha opinião, ok?

Não é a minha opinião pessoal. Quando for a minha opinião pessoal eu vou deixar bem claro que é a minha opinião pessoal.

Guilherme: Com certeza!

E a gente vai perguntar a sua opinião pessoal também…

Inclusive porque nós sabemos que tem que ter esse distanciamento saudável entre o que é evidência e o que é opinião.

E queremos conhecer também qual é a leitura das evidências que cada profissional faz.

Porque, se não for assim — se não tiver mais esse distanciamento — é impossível discernirmos e conversarmos.

Pois não sabemos quando estamos conversando sobre os fatos estudados e observados, e quando estamos conversando da opinião de cada um.

Dra. Janaina Koenen: E você sabe que é engraçado?

Que, hoje em dia, cada um cita quem quer na literatura.

Então tem revisões sistemáticas que não citam nenhum estudo do Thomas Seyfried nem do Dominic D’Agostino e falam que “não há evidência ainda da dieta cetogênica no câncer.”

Eles não citam os dois pesquisadores que mais publicam sobre o assunto!

Você pega as referências e não tem nenhum estudo deles e aí saem vários editoriais criticando.

Mas é uma guerra de opiniões… então as pessoas querem achar que “o câncer é só genética”.

Pessoal, tem genética envolvida sim. Lógico que tem genética.

Ninguém aqui está falando que não tem.

Eu não acho que uma teoria invalida a outra. Eu acho que esse é o erro do Seyfried. O Seyfried se apaixonou pela causa. Então ele só enxerga o lado dele.

Isso é ruim — porque as pessoas têm que trabalhar juntas.

Então o tratamento metabólico, que inclusive ele faz — já tem alguns estudos na literatura, quem quiser buscar pode buscar — que é a Metabolic Therapy, inclui a dieta cetogênica, inclui algumas drogas, oxigenioterapia hiperbárica…

Inclui várias coisas que eu não consigo falar aqui porque eu precisaria de slides para explicar, mas que é interessantíssimo, com resultados assustadores de cura de câncer totalmente metastático, publicado na literatura.

Isso não é blog não!

Está publicado na literatura científica, com todos os dados do estudo.

E estão surgindo cada vez mais estudos — porque pessoas estão lendo esses estudos quando pegam um tumor muito agressivo que não tem o que fazer, mas eles tentam… porque aí não tem como o Comitê de Ética barrar, porque não tem mais o que fazer.

Então essa é outra crítica: os estudos são feitos só em pacientes terminais, como foi meu pai.

Tem estudos mostrando que, se você entra no início do câncer, a resposta é melhor.

Então é importante que as pessoas entendam isso e é importante vocês verem que não é uma teoria da conspiração: o que eu estou falando é verdade.

Tem uma guerra editorial, como o açúcar e gordura saturada, é a mesma coisa no câncer.

É impressionante como eles brigam, abertamente, um mandado carta para o outro, tudo publicado no jornal científico: “Ah, porque essa revisão não presta, porque você não citou os dois que mais publicam”.

Como você pode fazer uma revisão de literatura escolhendo artigos?

Ou você faz uma revisão completa ou você não faz. A Cochrane, que era quem a gente mais confiava, demitiu várias pessoas, e várias pessoas se demitiram.

Teve uma briga interna enorme e em 2015, quando eles soltaram uma revisão sobre gordura saturada, eles omitiram um estudo de Minnesota, que é o que justamente havia 8000 pacientes.

E que falava que gordura saturada não causava infarto, que quem causava era o óleo vegetal.

Então nós não devemos pegar qualquer estudo e ler achando que aquilo é uma bíblia, só por ser um estudo que está publicado.

Qualquer um publica o que quer, as pessoas citam os colegas, para aumentarem as citações — o estudo fica em voga, fica em evidência — e nós estamos vendo muito isso com carne vermelha e câncer.

Essa onda de falar que carne faz mal para tudo — e ninguém leva em consideração que a força é muito fraca, das evidências e das associações.

O câncer tem essa briga dos que acham que é só genética e o Seyfried que acha que é só a mitocôndria.

E é tudo junto, gente! O câncer é uma doença tão diferente…

E é por isso que é importante estudarmos cada vez mais — e não descartarmos tratamentos importantes como a dieta cetogênica.

Nós particularmente adoramos entrevistar novamente a Dra. Janaína — e nossos ouvintes também adoraram!

Sendo que ouvindo a entrevista completa, você vai perceber que ela vai muito além do que apenas o pequeno excerto que destacamos acima.

Então vale a pena ler (ou ouvir) a entrevista completa, e compartilhar esse conhecimento com quem você se importa.

Você pode acessar gratuitamente o conteúdo da entrevista completa no nosso site: Podcast #055 – Dieta Cetogênica E Câncer, Com Dra. Janaína Koenen

(Tem arquivo em áudio se você gostar mais de escutar do que de ler.)

Da nossa parte, somos muito gratos por ela ter concedido essa nova entrevista para nós e ter compartilhado um pouco do seu vasto conhecimento com a gente.

Conhecimento este que pode salvar vidas. Então clique aqui para ter acesso ao conteúdo completo — e aguardamos seu comentário lá no site!

Forte abraço,

— Guilherme e Roney, do Senhor Tanquinho.

#lowcarb #cetogênica #enxaqueca

Posts Em Destaque