• Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

© 2017 por NASSIF PRODUÇÕES.

O “pé diabético” é uma expressão que define qualquer lesão nos pés do diabético, desde a alteração de sensibilidade, um calo, até uma ferida (chamada de úlcera). Cerca de 15% a 25% dos diabéticos desenvolvem úlceras nos pés. Essas lesões ou deformidades aumentam muito o risco de amputação. No mundo, atualmente, ocorre uma amputação a cada 20 segundos nos diabéticos, principalmente em países de terceiro mundo. Cerca de 85% destas amputações são precedidas por uma úlcera ou ferida no pé, e após a primeira amputação, existe uma chance de 50 a 80% de nova amputação em menos de um ano.

Entretanto, a maioria destas amputações poderiam ser evitadas com aplicação de cuidados especializados por equipe multiprofissional.

O QUE É PRÉ DIABETES?

CUIDADOS COM OS PÉS

O que causa o pé diabético:
 

1. O controle ruim do diabetes causa danos aos nervos responsáveis pela sensibilidade dos pés (“Neuropatia Diabética”), então o diabético geralmente acaba se machucando sem perceber, além de ficar em posições que seriam desconfortáveis (porém ele não sente) causando formação de calos, que podem sangrar e abrir uma ferida.

 

2. Além dos nervos de sensibilidade, os nervos motores dos pés também são afetados, e aparecem deformidades como os dedos em garra, o halux valgo, que aumentam o risco de machucados, principalmente se o diabético andar descalço, com chinelo comum ou sapatos rígidos sem meias.  

3. O diabetes aumenta o risco de obstrução das artérias que levam oxigênio aos pés, aumentando o risco de feridas e atrapalhando a cicatrização, principalmente se o paciente é diabético e além disso fuma! Geralmente um dos pés é mais frio ou dói mais quando o paciente anda.

4. Os pés do diabético têm tendência ao ressecamento e à formação de rachaduras, que são porta de entrada de bactérias.

5. O diabético tem maior chance de apresentar micose entre os dedos dos pés, as famosas frieiras, que também são porta de entrada para agentes infecciosos.

Quais são os sintomas da Neuropatia diabética?

 

  • Dor em queimação, principalmente à noite, nos dois pés

  • Formigamento, câimbras

  • Perda de sensibilidade

  • Aparecimento de deformidades como os dedos em garra

  • Pés muito ressecados apesar do uso de hidratantes comuns

  Como evitar as lesões nos pés:

 

  • Controle melhor o seu diabetes

  • Faça exercício físico regular (melhora a circulação e ajuda a manter seu peso na meta)

  • Evite a obesidade, o excesso de peso piora tudo

  • Não fume!

  • Faça o exame neurológico dos pés com seu médico uma vez por ano, e peça a ela para avaliar pulsos nas pernas em todas as consultas​

  • Inspecione seus pés sempre, em um lugar bem iluminado, principalmente entre os dedos. Caso você não enxergue bem, peça a um familiar para fazer isso

  • Sempre seque bem entre os dedos dos pés após o banho

  • Passe um creme para os pés (peça seu médico para
    prescrever um, não compre qualquer marca) diariamente
    nos pés e pernas, exceto entre os dedos

  • Use meias confortáveis e macias, de preferência mais claras, assim se você se machucar, vai ver mancha de sangue ou pus nas meias.

  • Use sandálias como sugerido na figura a seguir e não chinelos comuns.

  • Use calçados próprios para diabetes ou usaflex, macios e acolchoados por dentro, para evitar áreas de pressão. Sempre olhe com cuidado se não há nada dentro deles que possa machucar seu pé (uma pedrinha, por exemplo).

  • Cuidado com água muito quente, especialmente se você já não sente bem a temperatura nos pés, para evitar queimaduras.

  • Nunca corte as unhas dos pés com alicate ou tesoura. Corte com cortador, e nunca corte os cantos ou tire cutícula. O ideal é que você vá a um podólogo (e não manicure) com experiência em diabetes

  • Não tente tratar sozinho calos e rachaduras, sempre procure seu médico e também faça controle regular com podólogo.

  • Caso apareça qualquer machucado, procure logo o seu médico, as feridas costumam piorar muito rápido e, se for necessário antibiótico, o melhor é iniciar o quanto antes. Nunca fique em casa esperando “melhorar” nem passe nada que não seja indicado por um bom médico.